Sindicato participa de Seminário sobre Conteúdo Local no Clube de Engenharia

Imprimir
PDF

O atual Governo mudou as regras da política de conteúdo local. Reduziu em 50% em média os percentuais mínimos de equipamentos e serviços produzidos no País exigidos em licitações de exploração de petróleo e gás. Políticas de Conteúdo Local geram capacitação e inovação, criam empregos, ampliam investimentos e estimulam a cadeia industrial. Diante desse cenário, o Clube de Engenharia do Rio de Janeiro promoveu o Seminário Conteúdo Local – Cadeia de Petróleo e Gás, nesta sexta-feira (22/9).

 

O evento foi requerido pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e teve a participação do Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói e Itaboraí. Em sua justificativa, o Senador declara que diante da crise instalada na Petrobras, o atual governo aponta a exigência de conteúdo local como uma das barreiras impeditivas da retomada do crescimento dessa indústria e propõe a redução substancial dos percentuais mínimos de conteúdo local para as próximas rodadas de licitações.

 

Com a participação de representantes dos ministérios de Minas e Energia; da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; e de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, além de representantes do Instituto de Economia da UFRJ, Petrobras, da Agência Nacional do Petróleo (ANP), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, das federações dos petroleiros, das associações de Indústria de Máquinas e Equipamentos, da Indústria Química e dos sindicatos dos engenheiros e da Construção e Reparação Naval.

O presidente do Sindicato, Edson Rocha, voltou a destacar a paralisação das obras dos navios da Transpetro que se deteriorando no Estaleiro Mauá e da dívida com os trabalhadores que já se arrasta por dois anos.